MURILO ENDRES

Conheci o Murilo poucos dias entes da entrevista para o ESPORTE(ponto final). Sou nascido em Santo André, tive uma infância de cidade pequena – apesar da proximidade com a capital. Conheço bem como é crescer com um ritmo mais suave, um ritmo de interior.

Murilo é, na falta de um termo melhor, um matuto de alma – e tira o melhor desta essência. Um cara simples, tranquilo, que aprendeu como ninguém viver na cidade grande, mas sem perder a sua natureza.

Todo mundo fica à vontade perto dele. Em parte, porque ele está completamente à vontade com o mundo.

A entrevista acontece no prédio onde Murilo mora. Nos encontra sozinho. Camisa do clube, bermuda e chinelo. Sua primeira pergunta é se na gravação irá ser enquadrado da cintura para baixo, como a resposta é negativa, ele diz que assim, se sente mais confortável.

Na entrevista Murilo é sólido – 100% vôlei. Falamos do tio, do irmão, de Giba, de Giovane, de Marcelo Negrão, de Jaqueline… sobre a vida e sobre vôlei, não necessariamente nesta ordem.

Acaba a gravação, o papo continua mais um tempo, sem pressa, sempre muito à vontade, como se estivéssemos conversando no portão de casa em Santo André ou em Passo Fundo.

 

MURILO ENDRES