MARIA PAULA

Paula é elegante. Em uma comparação, seria uma espécie de Audrey Hepburn do mundo esportivo. É daquelas pessoas que são amigas do tempo. Fala baixo, se move com delicadeza, pondera sobre as respostas. Isto não quer dizer que deixa de falar sobre algo, mas sim, que tudo é bem pensado, como uma boa armadora deve fazer. Nada de pressa. Uma coisa é ser rápida, outra é agir sem pensar.

No começo brinca, dizendo que não costuma dar muitas entrevistas.

No papo, leva tempo para decidir qual o maior momento da carreira. Fala sobre várias situações, como se estivesse elencando para ela mesma, até a hora em que escolhe uma.

Conversando com Hortência e com ela fica claro como a química podia ser difícil em alguns momentos e o porquê dava tão certo. Até para contar histórias, uma sobre a outra, fazem de um jeito muito diferente, mas apontam para o mesmo sentimento.

Armando Nogueira disse que Hortência sempre estava com um olho na bola, outro na Paula.
Paula diz que não precisava olhar para saber onde Hortência estava.

MARIA PAULA