JOSÉ MONTANARO JR.

Durante a produção de um trabalho de publicidade, fui fazer uma visita de locação no SESI da Vila Leopoldina em São Paulo, pois iríamos filmar com um jogador do clube.

Ao chegarmos lá, o agente que nos receberia, teve que realizar uma viagem de última hora. Por sorte, a produtora que estava fazendo o trabalho conosco, havia filmado há poucos dias neste mesmo SESI e conhecia o porteiro daquele turno. Ele, sem saber direito onde enfiar aquela equipe que se encontrava parada na cancela do estacionamento, falou para esperarmos ali em um canto, pois ia chamar alguém para “resolver o nosso problema”.

Passaram-se alguns minutos e o porteiro convocou ninguém menos do que o Montanaro para ouvir a nossa história.

Gentilmente, Montanaro nos recebeu, mostrou todo o clube e batemos um longo papo sobre publicidade e atletas. No final, o convidei para a entrevista no ESPORTE(ponto final), que foi emocionante.

Daí, ficamos mais próximos e tive a idéia para um documentário sobre o saque viagem e a importância do Brasil na sua popularização. Conheci o William e o Renan, que junto com o Montanaro foram fundamentais nesta história.

Marcamos um dia e entramos todos em um avião para Los Angeles para relembrar histórias, visitar o palco dos jogos das Olimpíadas de 1984 em que eles ganharam a primeira medalha olímpica do vôlei brasileiro e reencontrar Karck Kiraly, quase 30 anos após a final entre Brasil e Estados Unidos. A visita à locação de uma publicidade virou uma entrevista linda, que por sua vez virou um documentário de um ponto de mutação do esporte brasileiro. Tudo culpa do porteiro.

JOSÉ MONTANARO JR.